terça-feira, 17 de setembro de 2013

Somos Todxs Gabriela Monelli! Pelo fim da Transfobia!

Transexual cometeu suicídio nesse dia 9 de setembro


Por Carla Alvim Diniz,
da secretaria de mulheres da Juventude do PSTU BH

Pense em uma pessoa trans*. Pensou? Você se lembra de ter convivido com, no mínimo, uma, seja na universidade, no seu local de trabalho, no banco ou mesmo na padaria, realizando atividades cotidianas, as quais você julga normais? Ou você imediatamente as imaginou em uma esquina se prostituindo, num show de TV sendo alvo de piadas ou em um salão de beleza? Infelizmente, estas atividades citadas são a realidade de muitas pessoas trans*.

Toda a sua exclusão começa ao se assumirem socialmente como trans*. Primeiro, na família que, em diversos casos, as expulsa de seu convívio. Passam então a enfrentar uma situação totalmente adversa no ambiente escolar, em que nem o seu nome, seu gênero e a sua segurança são respeitadas por quem deveria lhe assegurar a permanência escolar (o Estado), culminando em sua expulsão e a não conclusão de seus estudos. Consequentemente a isto, ficam inaptas aos estudos universitários e sem a qualificação exigida para a inserção no mercado de trabalho. Mas este não é o único motivo pelo qual elas são marginalizadas. Mesmo as pessoas trans* que vencem estas barreiras não são aceitas em empregos formais, pois são vítimas de transfobia dos empregadores que preferem mantê-las na exclusão social e às noites de prostituição.

Discriminação fatal

Disso, a jovem Gabriela Monelli sabia muito bem. Desde seus 15 anos (até os 21) garantiu a subsistência vendendo o seu corpo. Gabriela era militante nas redes sociais e sempre relatava em seu blog a discriminação da sociedade transfóbica e a sua exigência cisnormativa. Segundo amigos, o que mais a entristecia era a não aceitação, a violência que sofria como prostituta e a impossibilidade de entrar no mercado formal de trabalho. Gabriela possuía sonhos e lutou muito para vencer a opressão. Desabafou em seu blog que, apesar da violência e da humilhação, ela não iria desistir. Porém, a opressão e a falta de perspectiva acabaram roubando dela a vontade de dar a batalha contra tudo e todos a todo o momento. No dia 9 de setembro, poucos dias depois de conversar com os seus amigos e seu namorado sobre o quão deprimida estava, cometeu suicídio.

Gabriela é mais de uma de muitas vítimas da sociedade capitalista que discrimina e mata pessoas trans*. Segundo o Grupo Gay da Bahia, só em 2012 foram registrados 127 assassinatos de transexuais. Desde que nascemos somos condicionados a pensar que as únicas identidades de gênero possíveis são aquelas que correspondem ao seguinte esquema: pênis = homem e vagina = mulher.  Qualquer um que transgrida a essa norma (cisnormatividade) é discriminado e desumanizado socialmente e institucionalmente.

Não à transfobia

O governo Dilma pouco avançou no combate à transfobia. Os setores conservadores tem amplo espaço para disseminar discursos de ódio, a exemplo do deputado Marco Feliciano (PSC-SP). A violência e assassinatos às pessoas trans* só aumentam a cada dia. Não há políticas públicas para o acesso delas na universidade e no trabalho. O acesso à assistência endocrinológica, médica e psicológica, além de compulsória (na perspectiva de que as pessoas trans* são doentes mentais) é restrita à burocratização, já tão intrínseca do nosso sistema público de saúde. Além disso, é submetida à (in) capacidade das supostas equipes multidisciplinares que regram as vidas das pessoas trans* a partir de perspectivas médicas tacanhas e centradas na hetero e cisnormativadade.

O que deveria ser parte de um processo que auxiliasse esta população marginalizada em sua saúde, acaba por ser uma agressão psicológica (além de crime) restringente ao exercício de uma cidadania plena, dado que a autorização judicial para a retificação dos documentos oficiais só é concebida judicialmente mediante a aprovação desta equipe médica multidisciplinar no seu privilégio de diagnosticar a vida das pessoas trans*.

Ou seja, as pessoas trans* não têm direito ao próprio corpo e nem à autopercepção se esta não for atestada por quem não faz a mínima ideia do que é ser trans*. Onde será que já vimos esta restrição à autonomia dos corpos? O Estatuto do Nascituro e a criminalização do aborto estão aí como prova de que as pessoas trans* não sofrem de uma opressão isolada, mas que é compartilhada pelas nossas companheiras mulheres cis quando o Estado se outorga o direito a limitar a liberdade dxs trabalhadorxs.

Para mudar essa realidade, é preciso muita  organização e de união das pessoas trans* e cis para o combate à transfobia. Pautas como a despatologização das identidades trans*, direito à livre expressão da liberdade de gênero, tanto socialmente quanto nos documentos de identificação, e do combate à transfobia, precisam ser levadas às ruas.  Não pode ser que deixemos que casos como o de Gabriela continuem a se repetir e a serem invisibilizados.

  • Somos todxs Gabriela!
  • Pela despatologização das identidades trans*!
  • Pelo direito de existir! Pela criminalização da transfobia!
  • Aprovação imediata da PL 5002, que dispõe sobre a identidade de gênero! Pelo reconhecimento de nossa identidade de gênero!

Nota: O termo "trans*" se refere à Transexual: a condição do indivíduo que possui uma identidade de gênero diferente da designada ao nascimento, tendo o desejo de viver e ser aceito como sendo do sexo oposto

0 comentários:

Postar um comentário